Estreia: O PODER E O IMPOSSÍVEL (6 Below: Miracle on The Mountain)

O-Poder-e-o-Impossível-centro

Tragédias em montanhas, mais ou menos cobertas de neve, têm ocupado as telas dos cinemas ultimamente. Ao dispensável (e até constrangedor, um desperdício de belas locações e talentos) Uma montanha entre nós e ao louvável Gabriel e a Montanha vem se juntar O poder e o impossível, também baseado numa história verídica.

O personagem real, no caso, é Eric LeMarque (Josh Hartnett), atleta olímpico de hóquei no gelo, com um conturbado histórico de uso de drogas pesadas. Tentando repensar a vida, LeMarque viaja para uma estação de esqui para praticar snowboard. Pego por uma tempestade de neve, o atleta se perde na imensidão branca.

Filmes baseados em acidentes e catástrofes e a superação de adversidades extremas sempre perigam debandar para o exagero e o dramalhão rasgado. No caso do longa de Scott Waugh a coisa fica mais complicada, em função das escolhas (preguiçosas?) do diretor. A produção começa apostando num estilo com jeito de reportagem sobre esportes radicais, explorando exaustivamente as manobras perigosas e descidas vertiginosas do snowboarder.

Enquanto tenta sobreviver, Eric revive momentos de seu passado e da difícil relação com o pai, que jogava sobre o filho imensas expectativas e o assombrava com o fantasma do fracasso. A narrativa vai se tornando repetitiva e pouco criativa, ganhando alguma emoção apenas nos 20 ou 30 minutos finais, quando começam as buscas.

O-Poder-e-o-Impossível-ROSTO

Os muitos closes no rosto do ator também nada acrescentam à trama que segue burocrática e carente de densidade. E ainda tem uma trilha sonora que faz lembrar aquelas novelas bíblicas que certa emissora de TV gosta de explorar. Eu chamo de “música de Mar Vermelho se abrindo”. Um exagero!

O filme pode evocar no espectador algumas outras histórias reais levadas à tela, como a do longa Na natureza selvagem (Into the wild, 2007) ou a do brasileiro Gabriel Buchmann, já citada, mas as semelhanças se resumem ao fato de traçarem a jornada de jovens perdidos em suas buscas por sua identidade, por sua razão de viver, por paz e autoconhecimento.

Há, sim, belas tomadas aéreas, belas imagens, seja de dia, com o branco dominando a tela, ou uma linda noite estrelada. E uma sacada interessante: a analogia da bateria do equipamento de localização de LeMarque com o sopro de vida que lhe resta.

Pode ainda gerar alguma reflexão sobre as fronteiras entre ousadia, coragem e inconsequência, ou sobre o respeito às forças da natureza (e a lembrança que me vem à mente é “Cem dias entre céu e mar”, do navegador Amyr Klink). Ou ainda sobre a inevitabilidade do destino.

A mensagem de que as mais tenebrosas adversidades podem ser vencidas (com a ajuda de outros) e uma tragédia pessoal pode ser uma porta para outras conquistas na vida, desde que se esteja disposto a assim encará-la, não chega a redimir o filme de sua pouca inspiração, mas lhe confere algum mérito.

O PODER E O IMPOSSÍVEL (6 Below: Miracle on The Mountain)

EUA, 2017, 1h38min

Direção: Scott Waugh

Roteiro: Madison Turner e Eric LeMarque (autor do livro)

Elenco: Josh Hartnett, Mira Sorvino, Sarah Dumont

Aventura, biografia, drama

Imagem Filmes: https://imagemfilmes.com.br/filmes/164757/o-poder-e-o-impossivel
IMDb: http://www.imdb.com/title/tt5503688/

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: