Estreia: SOUNDTRACK

O SOM INTERIOR:

Soundtrack-Fotos-Imprensa-SOUND-l-Soundtrack-Fotos-Imprensacópia-de-soundtrack-3817-1024x682

Num mundo dominado por imagens, Soundtrack propõe direcionar o foco para outro sentido, ainda que seu protagonista, Cris, seja um fotógrafo. Encarnado pelo sempre afinado Selton Mello, Cris viaja a “outro planeta”, o Ártico, onde pretende fazer selfies enquanto ouve uma determinada trilha sonora. A ideia do artista é que, ao ver o trabalho exposto e ouvindo as tais músicas por meio de fones de ouvido, o público possa experimentar as sensações que ele teve no momento do clique.

É de se esperar que uma ideia assim incomum provoque reações nem sempre amistosas nos companheiros da base, pesquisadores, homens das ciências (mas nem por isso desprovidos de sensibilidade). O grupo é composto pelo britânico Mark (Ralph Ineson, ótimo), pelo brasileiro Cao (Seu Jorge), o chinês Huang (Thomas Chaanhing) e o dinamarquês Rafnar (Lukas Loughran).

Entre olhares enviesados, choques diretos, atritos e risos, regados a doses de vinho, os cinco homens vão convivendo com suas diferenças e descobertas. Filosofam sobre felicidade e a existência de um deus. Suas motivações e crenças. Sobre ciência e arte.

O clima dos ambientes internos, nos containers onde convivem, é quase sempre sombrio e intimista, em contraste com o branco estourado do lado de fora e a amplidão da paisagem que, na verdade, é apenas sugerida, afinal o filme foi todo rodado em estúdio.

O problema é que esta experiência coletiva, bem como a experiência pessoal do protagonista e sua mudança de perspectiva sobre o propósito de sua arte, é superficial, apenas sugerida ao espectador, que é mantido alijado das sensações que o longa propõe. Até o elemento base do argumento – associar os sentidos de visão e audição – é negado ao público nos momentos-chave.

Se acerta ao ficar longe de sentimentalismos ou do didatismo, o filme peca ao não traduzir de modo mais convincente as nuances dos personagens. Acreditar na inteligência do espectador, ou do leitor, é uma virtude. Mas aqui não é o caso.

A dupla que assina a direção como 300ml é composta por Manitou e Bernardo Rocha. Manitou passou por várias produções da Rede Globo, partindo depois para a produção, redação publicitária e direção. Bernardo Dutra é diretor e ator. A dupla tem no currículo o ótimo curta Tarantino’s Mind, onde Selton Mello e Seu Jorge discutem teses sobre a sangrenta obra de Quentin Tarantino.

Soundtrack é um daqueles filmes que não se encaixam propriamente na definição de “bom” ou “ruim”. É insatisfatório. Uma câmera na mão e uma boa ideia na cabeça, que não encontrou seu melhor caminho – sua trilha – para chegar às telas, aos corações e mentes do público.

 

SOUNDTRACK

Brasil, 2017, 112 min

Direção e roteiro: 300ml

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=oU_L_tEumxY

Imagem Filmes: https://imagemfilmes.com.br/filmes/164729/soundtrack

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: